sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

MENINO CHORANDO NA NOITE




Na noite lenta e morna, morta noite sem ruído, um menino chora.
O choro atrás da parede, a luz atrás da vidraça
perdem-se na sombra dos passos abafados, das vozes extenuadas.
E no entanto se ouve até o rumor da gota de remédio caindo na colher.
Um menino chora na noite, atrás da parede, atrás da rua,
longe um menino chora, em outra cidade talvez,
talvez em outro mundo.
E vejo a mão que levanta a colher, enquanto a outra sustenta a cabeça
e vejo o fio oleoso que escorre do queixo do menino,
escorre pela rua, escorre pela cidade (um fio apenas).
E não há ninguém mais no mundo a não ser esse menino chorando.




Carlos Drummond de Andrade

foto: DDiArte

2 comentários:

Anônimo disse...

Esse poema é lindíssimo... Bjs, Mig! Fabiana

Migansel disse...

Eu sei querida, vc me apresentou a ele em um momento propício....bjs